SP recebe mais 11 milhões de máscaras para enfrentamento à COVID-19

SP recebe mais 11 milhões de máscaras para enfrentamento à COVID-19

Lote totaliza 18 milhões de máscaras importadas da China para uso dos profissionais de saúde; investimento do Estado foi de R$ 63 milhões.

O Governo de São Paulo recebeu na manhã desta terça-feira (19) um lote de 11 milhões de máscaras adquiridas da China. A nova remessa completa uma compra total de 18 milhões de máscaras cirúrgicas e N-95 importadas da China. A primeira leva chegou em 30 de abril, com 7 milhões de itens.

O Governo investiu um total de R$ 63 milhões para comprar esses produtos, visando reforçar os estoques de equipamentos de proteção individual (EPIs) da Secretaria da Saúde e garantir a segurança para profissionais que estão na “linha de frente” do atendimento aos casos da COVID-19.

“Importamos esses produtos da Ásia para reforçar nossos estoques de EPIs, oferecendo materiais para que as equipes estejam devidamente protegidas para atender a população”, diz o Secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann.

Imagem: Reprodução site Governo Estado de SP, (nova remessa completa uma compra total de 18 milhões de máscaras cirúrgicas e N-95 importadas da China)

FONTE: Site Governo do Estado de SP, 20/05/20.

Centro universitário produz escudos faciais para médicos em São Paulo

Centro universitário produz escudos faciais para médicos em São Paulo

Mil escudos faciais serão doados a médicos e enfermeiros em São Paulo a partir da próxima segunda-feira (30). Iniciativa do centro universitário Facens, em Sorocaba, o projeto planeja fabricar o material de proteção em 14 impressoras 3D, dispostas em um laboratório colaborativo da instituição. O lote será entregue ao Hospital das Clínicas e à Santa Casa de Sorocaba.

“Reunimos todas as impressoras do campus e montamos a primeira ‘fazenda’ de impressão 3D da cidade”, conta Antoni Romitti, coordenador do laboratório – ou fab lab, como são chamados os espaços de fabricação digital normalmente equipados com ferramentas, impressoras 3D e alinhados ao movimento do “faça você mesmo“.

Nos fab labs, os integrantes dedicam-se à produção de produtos e projetos open source, ou seja, de código aberto e que não exigem licenciamento. Sorocaba é uma das cinco fab cities brasileiras, cidades com instituições adeptas desse movimento.

Romitti estima que o local tem capacidade para produzir cerca de 40 escudos faciais por dia. Os escudos são uma alternativa ao uso das máscaras cirúrgicas, segundo o laboratório. Como podem ser reutilizados após a higienização adequada, os profissionais de saúde não precisam trocar de máscaras várias vezes por dia, além de contarem com uma proteção extra no atendimento durante a pandemia do coronavírus.

Paulo Carvalho, reitor do centro universitário, conta que o fab lab da Facens funciona desde 2015 e, quando surgiu a pandemia da Covid-19, o local decidiu formar um grupo para reunir ideias. “Buscamos na rede projetos de máscaras e vimos que era possível produzi-las”, resume.” Fizemos um protótipo, compartilhamos o projeto (com o hospital) e decidimos fazer um lote inicial de mil unidades, 250 doadas à Santa Casa de Sorocaba.”

Carvalho adianta que a universidade continua analisando novas maneiras de colaborar com os hospitais e profissionais de saúde durante a crise. Em parceria com a Toyota, por exemplo, planejam conduzir a manutenção de respiradores mecânicos parados em diversos hospitais.

Fonte: https://vejasp.abril.com.br/cidades/centro-universitario-produz-escudos-faciais-para-medicos-em-sao-paulo/